krespinha, e o vento levou e o racismo que quase não se vê

Quase 5 milhões de escravos negros cruzaram o Oceano Atlântico entre 1500 e 1850. Passamos 388 dos 520 anos da nossa História escravizando oficialmente os que vinham da África e seus filhos. Nos outros 132 anos, vimos a prática abolida no papel seguir impregnando o pensamento, a educação, as instituições e as estruturas deste país abençoado por Deus e bonito por natureza, mas extremamente preconceituoso.

Avançamos um pouco, mesmo que ainda falte muito. Ampliamos o debate sobre a importância da diversidade nas organizações, embora ainda haja um bocado a ser feito. Protestamos contra mortes movidas pela cor da pele. Vimos leis mudarem. 

Muitos de nós reconhecemos que o racismo não é um problema apenas dos negros. Entendemos que nós, brancos e misturados, precisamos nos posicionar a respeito dele, olhá-lo a partir da justiça, da empatia e da compreensão com o povo preto e seus ancestrais.

Mesmo assim, a despeito de tudo, ainda hoje, somos obrigados a conviver com retrocessos inacreditáveis como as mortes de Miguel Santana da Silva, João Pedro Mattos, George Floyd e tantos outros. Mesmo assim, a despeito de tudo, ainda hoje, comentários e postagens racistas inundam o ambiente digital todos os dias. 

Mesmo assim, a despeito de tudo, ainda hoje, somos acordados numa quarta-feira de 2020 com o relançamento de uma esponja para limpeza pesada que remete, jocosamente, ao cabelo crespo e à mulher negra. 

Criticar a Bombril por trazer de volta ao mercado um produto dos anos 1950, sem levar em consideração seu racismo escancarado, não é mimimi nem falta de empatia. A esponja que “remove sujeiras e gorduras de um jeito rápido e eficaz, sem esforço”, conforme descrição no site oficial da marca (logo depois retirada do ar), é o passado esmurrando a porta para assombrar aqueles que ainda sofrem com a herança escravocrata e a desigualdade racial. 

Felizmente, três ou quatro dias antes, demos um pequeno passo adiante. Depois de um contundente apelo publicado no jornal Los Angeles Times pelo diretor e roteirista do filme “12 Anos de Escravidão”, o clássico “E o Vento Levou” foi retirado temporariamente do catálogo da distribuidora Warner. Uma mensagem será colocada antes do filme, de modo a explicar o cenário histórico em que ele foi feito e o contexto ali exibido. 

“E o Vento Levou” relata com pompa, circunstância e nostalgia a escravidão no sul dos Estados Unidos e a guerra travada para que ela fosse mantida. Um autêntico representante da era de ouro de Hollywood. Quatro horas de romance, aventura, tragédia, humor, frases antológicas, um ícone na trilha sonora. Dez vezes premiado no Oscar. E uma perspectiva racista, muito racista, em seu ponto de vista favorável à escravidão.

Não custa lembrar: racismo estrutural é um conjunto de práticas históricas, culturais, políticas e institucionais que privilegiam um grupo racial e desfavorecem outro. De tão agarrado na cultura, na polícia, na política e na economia, há quem diga que ele nem existe. Mas ele está aqui, ali, em qualquer lugar, e se revela na ausência de negros em espaços de poder, de saber e de fazer. 

O racismo estrutural tem relação direta com a escolha da Bombril e se encontra na raiz das mortes de Miguel, João Pedro, George Floyd e tantos outros. Ele está aqui, ali, em qualquer lugar, impregnando o pensamento, a educação, as instituições e as estruturas deste país abençoado por Deus e bonito por natureza, mas extremamente preconceituoso. 

o dia em que machado de assis encontrou george floyd

Protesto contra a morte de George Floyd. Foto de Guillaume Issaly

Um alento vem de longe nestes dias de sonhos, planos, perspectivas, projetos e 300 mil vidas ceifados pela pandemia. É Machado de Assis, o bruxo do Cosme Velho, um sujeito que nos conforta com suas palavras desde 1861 e que volta à baila para nos lembrar, uma vez mais, do que é oposto à ignorância, ao peso, à brutalidade e ao desencanto. 

Na terça-feira 2 de junho, uma nova tradução de “Memórias Póstumas de Brás Cubas” para o inglês chegou aos Estados Unidos. Os exemplares se esgotaram em menos de 24 horas. Coincidência ou não, era o oitavo dia dos protestos desencadeados pelo assassinato de George Floyd, um ex-segurança negro como Machado de Assis, seu pai e seus avós.

Floyd, como se sabe, foi asfixiado por um policial branco por causa de uma nota falsa de 20 dólares. Sua frase final se transformou em um dos gritos de guerra das manifestações que começaram com os norte-americanos e se espalharam pelo mundo: “Não consigo respirar”. 

Machado de Assis, filho de ex-escravos alforriados, teve melhor sorte, se assim se pode dizer. Mas enfrentou durante toda a vida o racismo, a herança escravocrata e a ambiguidade de criticar a burguesia ao mesmo tempo em que ascendia para dentro dela. 

“Memórias Póstumas” foi lançado em 1881, sete anos antes da abolição da escravatura. No romance, o finado Brás Cubas, filho de uma típica família da elite carioca no século XIX, decide escrever sua autobiografia a partir do túmulo. O morto nos conta sua saga com ironia e acidez, dedicando o volume póstumo ao verme que primeiro roeu as frias carnes de seu cadáver.

O protagonista revê a infância de menino rico, mimado e endiabrado, a paixão por uma prostituta que durou 15 meses e 11 contos de réis, e também a própria morte. A causa: pneumonia, adquirida enquanto ele trabalhava obsessivamente na criação do emplastro Brás Cubas, um medicamento sem comprovação científica que se pretendia destinado a aliviar a melancolia da humanidade. 

[Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência].

Ao revisitar a própria trajetória, o defunto Brás Cubas retrata também a escravidão, as desigualdades sociais, a chegada dos valores liberais ao país e a tentativa de modernização de uma elite enraizada no atraso. “Memórias Póstumas” – palavras do autor – é um livro que, por mais risonho que pareça, guarda um sentimento amargo e áspero. Não deixa de ser curioso que ele volte a ser notícia exatamente agora.

palavras que deveríamos eliminar do vocabulário em 2020 [ou lista branca de palavras para jogar fora]

Certas palavras, expressões e frases feitas podem até parecer inofensivas à primeira vista, mas são exatamente o oposto. Popularizadas ao longo da História, elas escondem origens e visões racistas, homofóbicas e machistas, reforçando desequilíbrios e desigualdades. Por melhor que sejam as intenções de quem fala, o que os raivosos chamam de mimimi tem outro nome: preconceito. 

Então, deixo aqui um desafio de ano novo, pra mim, pra você, pra todos nós: o que acham de eliminarmos do nosso vocabulário palavras como DENEGRIR, expressões como LISTA NEGRA e frases feitas do tipo “não sou preconceituoso, até tenho um amigo gay” ou “ela devia ser muito bonita quando era magra” e sua variação “ela devia ser linda quando era mais jovem”?

Segundo o Aurélio (aliás, chamar dicionário de Pai dos Burros soa mal pra vocês também?), DENEGRIR significa tornar negro, escurecer. Portanto, ao associar alguém de reputação ruim a algo escuro, estamos sendo tão racistas quanto ao dizer LISTA NEGRA ou MERCADO NEGRO ao nos referirmos a um grupo indesejado ou a operações ilegais de compra e venda.

Dia de trabalho, responsabilidade e compromisso, ao contrário, é DIA DE BRANCO. INVEJA BRANCA também seria “do bem”: aquela que não faz tão mal quanto a “outra”. Filho da pá virada ganha fama de OVELHA NEGRA, porque, graças ao racismo estrutural que nos acompanha desde os tempos da escravidão, coisas proibidas, perigosas, mortais ou ilegais são negras como a peste (olha aí…). 

CABELO BOM é cabelo liso. Cacheados ou crespos são CABELO RUIM. “Mulher no volante perigo constante”, “não fale assim comigo porque eu não sou tuas negas”, “mulher tem que se dar ao respeito”, “essa é pra casar”, “pode ser gay, mas não precisa beijar em público”, “respeito sua OPÇÃO SEXUAL, mas não aceito”, “ele parece um homem normal, não acredito que seja gay”: são inúmeros os preconceitos impregnados no vocabulário nosso de cada dia, muitos deles despercebidos ou minimizados. 

Silenciosamente, eles contribuem para que a sociedade intolerante e preconceituosa em que vivemos continue exatamente do mesmo jeito: intolerante e preconceituosa.