o discurso de joaquin phoenix

Os merecidos prêmios conquistados por Joaquin Phoenix por sua atuação no filme “Coringa” têm sido acompanhados de discursos vigorosos.

No Oscar, há alguns dias, o ator exaltou a possibilidade que ele e os colegas têm de usar a voz em favor dos que não têm voz. “Um dos maiores dons que eu recebi, e como muitos aqui neste recinto, é a oportunidade de dar voz aos que não podem falar. Acho que quando falamos sobre equidade de gênero, racismo, direitos LGBTQI+, direitos dos indígenas e direitos dos animais, nós estamos lutando contra injustiças. Estamos lutando com a crença de que uma nação, uma pessoa, um gênero uma espécie tem o direito de dominar, controlar e explorar os outros”, declarou.

Uma semana antes, no Bafta, seu discurso foi igualmente duro com a falta de representatividade na indústria do entretenimento: “Sinto-me honrado e privilegiado por estar aqui esta noite. Mas devo dizer que me sinto em conflito, porque muitos colegas atores que também merecem [o prêmio] não têm o mesmo privilégio. Lançamos uma mensagem muito clara às pessoas negras: que vocês não são bem-vindos aqui. Essa é a mensagem que estamos enviando às pessoas que tanto contribuíram para o nosso meio, fazendo coisas das quais nos beneficiamos”.

Na cerimônia de entrega do Globo de Ouro, que ele também venceu pelo papel do perturbado Arthur Fleck no filme de Todd Phillips, Phoenix teve partes de sua fala cortada, oficialmente por causa do excesso de palavrões, extraoficialmente pelo constrangimento embutido nas pesadas críticas que fez à indústria do cinema e a seus integrantes.

Numa histórica mea culpa, Phoenix destacou os privilégios que homens brancos como ele têm e elevou minorias que as premiações, lideradas pelo Oscar, insistem em ignorar, apesar de protestos como o #OscarSoWhite e o #MeToo, que tomaram as redes sociais pedindo representatividade e diversidade nas escolhas do prêmio.  

Desde a primeira edição do maior festa do cinema norte-americano, em 1929, por exemplo, apenas cinco diretoras receberam indicações: Lina Wertmüller (“Pasqualino Sete Belezas”, 1977), Jane Campion (“O Piano”, 1994), Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, 2004), Kathryn Bigelow (“Guerra ao Terror”, 2010) e Greta Gerwig (“Lady Bird”, 2018). Kathryn Bigelow foi a única a vencer.

Em 2020, mais uma vez, o prêmio de Melhor Direção teve um total de zero mulheres.

Globo de Ouro e Bafta tampouco tiveram diretoras indicadas nesta edição. O cenário não é muito diferente para artistas negros. O discurso que Joaquin Phoenix levou aos palcos nos lembra de números desanimadores também neste aspecto: das pouco mais de 3.100 estatuetas entregues desde a primeira cerimônia do Oscar, apenas 44 foram para profissionais negros. São, apenas, 2% dos vencedores. 

adoráveis mulheres critica o patriarcado com força e fofura

Cento e cinquenta anos e um mundo de transformações separam o livro “As Mulherzinhas”, de Louisa May Alcott, do filme “Adoráveis Mulheres”, de Greta Gerwig. Mas Alcott plantou uma sementinha de subversão que Gerwig soube revigorar com um misto de força e fofura.

Em 1868, quando o romance sobre as irmãs March chegou ao público, ideias como equidade, sororidade e empoderamento nem sonhavam aparecer. O feminismo tampouco existia formalmente – as expressões feminismo e feminista surgiram em 1872 e passaram a figurar no dicionário em 1895.

Também é provável que quase ninguém imaginasse que um dia haveria tanto a dizer (e a fazer) a respeito de temas como a igualdade, o poder das mulheres, solidariedade entre nós e o assédio.

A independência da protagonista Jo March, dona de um temperamento forte que sonhava ser escritora e recusava o casamento, era incomum, quase inaceitável, nos anos 1800. No filme como no livro, ela, a mãe e as três irmãs enfrentam com ingenuidade, otimismo e afeto a penúria doméstica e a ausência do pai, combatente na Guerra Civil.

A história foi escrita à imagem e semelhança de sua autora, segunda das quatro filhas de uma família de poucas posses, mas muitos atributos intelectuais. Seu pai era um educador, filósofo, abolicionista e defensor dos direitos das mulheres que manteve estreita amizade com pensadores como Henry Thoreau, autor do manifesto “A Desobediência Civil”, uma defesa da rebeldia individual como oposição legítima ao Estado.

Louisa tornou-se ela também abolicionista e inconformista e, ciente do jeito aéreo do pai, tratou de assumir algumas responsabilidades materiais da família, dando aulas e vendendo histórias açucaradas para os jornais da região.

A versão construída por Greta Gerwig mantém a insubmissão e o inconformismo de Jo March. Seu contraponto é a irmã do meio, uma jovem resignada diante da força do patriarcado. 

Para Amy March, só havia um meio de sobrevivência para uma mulher sem condições de obter os próprios recursos: fisgar um marido rico. Ao contrário de Jo, Amy via o casamento como um negócio, determinado pelos interesses do homem e, principalmente, por suas posses.

No final das contas, “Adoráveis Mulheres” é um filme sobre a forma como cada uma das irmãs March lida com a opressão imposta pelo domínio masculino nas escolhas e nas possibilidades, no presente e no futuro.