memórias de um tempo de exílios falências e mudanças

Havia uma lupa entre os pertences que herdei na passagem do meu pai. Um pequeno artefato que, graças à engenhosidade de romanos e chineses do século VI antes de Cristo, permite enxergar com lente de aumento objetos que, de outro modo, quase não se vê.

Livros de letra miúda, as entrelinhas de um contrato, detalhes e entalhes de um móvel feito à mão. As fusas e semifusas de uma partitura desbotada pelo tempo. O porta-retrato posto no exato ponto que separa o esquecimento da obsessão. Objetos vistos com lente de aumento graças à engenhosidade de romanos e chineses do século VI antes de Cristo.

É a Física quem diz: com as lupas e suas lentes convergentes, temos uma imagem virtual, direita e maior de um objeto real. Para que a imagem se forme, o objeto deve estar entre o foco e o centro ótico da lente. O tamanho da imagem produzida na retina varia de acordo com o ângulo que o objeto ocupa no campo de visão. 

A posição precisa ser firme, sem grandes variações. Caso contrário, letras miúdas, entrelinhas, detalhes, entalhes, fusas, semifusas, esquecimento e obsessão tornam-se um borrão, uma mancha, um rabisco imperfeito da ausência, da distância, da névoa e do descuido.

Alguém escreveu, com toda razão, que vivemos um período de ruínas. De empregos e empreendimentos aos sistemas de saúde, da ética dos homens públicos ao bom senso do capitão, dos projetos para 2020 ao coração do meu pai, as falências estão por toda parte. 

Até o tempo anda bugado nos últimos meses, correndo contra si mesmo enquanto cancelamos projetos e celebridades, sovamos pão e incertezas, envelhecemos diante de sonhos, rotinas e encontros suspensos pela pandemia. 

Vivemos, respiramos, trabalhamos, escrevemos, postamos. Abrimos portas para o essencial. Descemos escadas, evitamos elevadores. Lavamos a louça para em seguida sujar outra vez. Mesmo que a contragosto, adotamos novos hábitos. Pouco a pouco, construímos com o que temos à mão as memórias deste tempo de exílios, falências e mudanças.

krespinha, e o vento levou e o racismo que quase não se vê

Quase 5 milhões de escravos negros cruzaram o Oceano Atlântico entre 1500 e 1850. Passamos 388 dos 520 anos da nossa História escravizando oficialmente os que vinham da África e seus filhos. Nos outros 132 anos, vimos a prática abolida no papel seguir impregnando o pensamento, a educação, as instituições e as estruturas deste país abençoado por Deus e bonito por natureza, mas extremamente preconceituoso.

Avançamos um pouco, mesmo que ainda falte muito. Ampliamos o debate sobre a importância da diversidade nas organizações, embora ainda haja um bocado a ser feito. Protestamos contra mortes movidas pela cor da pele. Vimos leis mudarem. 

Muitos de nós reconhecemos que o racismo não é um problema apenas dos negros. Entendemos que nós, brancos e misturados, precisamos nos posicionar a respeito dele, olhá-lo a partir da justiça, da empatia e da compreensão com o povo preto e seus ancestrais.

Mesmo assim, a despeito de tudo, ainda hoje, somos obrigados a conviver com retrocessos inacreditáveis como as mortes de Miguel Santana da Silva, João Pedro Mattos, George Floyd e tantos outros. Mesmo assim, a despeito de tudo, ainda hoje, comentários e postagens racistas inundam o ambiente digital todos os dias. 

Mesmo assim, a despeito de tudo, ainda hoje, somos acordados numa quarta-feira de 2020 com o relançamento de uma esponja para limpeza pesada que remete, jocosamente, ao cabelo crespo e à mulher negra. 

Criticar a Bombril por trazer de volta ao mercado um produto dos anos 1950, sem levar em consideração seu racismo escancarado, não é mimimi nem falta de empatia. A esponja que “remove sujeiras e gorduras de um jeito rápido e eficaz, sem esforço”, conforme descrição no site oficial da marca (logo depois retirada do ar), é o passado esmurrando a porta para assombrar aqueles que ainda sofrem com a herança escravocrata e a desigualdade racial. 

Felizmente, três ou quatro dias antes, demos um pequeno passo adiante. Depois de um contundente apelo publicado no jornal Los Angeles Times pelo diretor e roteirista do filme “12 Anos de Escravidão”, o clássico “E o Vento Levou” foi retirado temporariamente do catálogo da distribuidora Warner. Uma mensagem será colocada antes do filme, de modo a explicar o cenário histórico em que ele foi feito e o contexto ali exibido. 

“E o Vento Levou” relata com pompa, circunstância e nostalgia a escravidão no sul dos Estados Unidos e a guerra travada para que ela fosse mantida. Um autêntico representante da era de ouro de Hollywood. Quatro horas de romance, aventura, tragédia, humor, frases antológicas, um ícone na trilha sonora. Dez vezes premiado no Oscar. E uma perspectiva racista, muito racista, em seu ponto de vista favorável à escravidão.

Não custa lembrar: racismo estrutural é um conjunto de práticas históricas, culturais, políticas e institucionais que privilegiam um grupo racial e desfavorecem outro. De tão agarrado na cultura, na polícia, na política e na economia, há quem diga que ele nem existe. Mas ele está aqui, ali, em qualquer lugar, e se revela na ausência de negros em espaços de poder, de saber e de fazer. 

O racismo estrutural tem relação direta com a escolha da Bombril e se encontra na raiz das mortes de Miguel, João Pedro, George Floyd e tantos outros. Ele está aqui, ali, em qualquer lugar, impregnando o pensamento, a educação, as instituições e as estruturas deste país abençoado por Deus e bonito por natureza, mas extremamente preconceituoso. 

mulheres invisíveis

Fernanda Montenegro em cena do filme “A Vida Invisível”

Por diversas razões, “A Vida Invisível” é um filme de partir o coração. Porque duas irmãs se perdem de vista, separadas pelas circunstâncias da vida e pelo machismo da família. Porque ambas são silenciadas em seus maiores desejos. Porque determinados acordos escondem um doloroso e desigual domínio de uma parte sobre a outra. Porque, como Guida e Eurídice Gusmão, há muitas mulheres que apenas ficam. 

A história se passa na década de 1950, mas podia ser hoje, na noite passada ou agorinha mesmo, enquanto o isolamento social exigido pela pandemia do coronavírus amplia os registros de violência contra a mulher, as separações e as diferenças entre ricos e pobres. 

Filhas de um conservador casal português, Guida e Eurídice Gusmão são como água e vinho. Eurídice é uma jovem tímida, realista e retraída que deseja ser pianista profissional. Guida é expansiva, sonhadora e extrovertida, e tem como meta encontrar um amor de verdade e, no caminho, se divertir um pouco. 

A ingenuidade delicada da dupla contrasta com a rispidez do pai, com a omissão da mãe e com o destino que as espera. Guida foge com um marinheiro grego, viaja, casa, separa e engravida, nesta ordem. Expulsa de casa por causa da gravidez sem marido, enfrenta a dura realidade da vida operária para criar o filho. 

Sua invisibilidade vem da condição de mulher social e economicamente vulnerável. A de Eurídice está dentro de casa, no marido aparentemente cortez que personifica a violência sexual e psicológica vista como normal em muitas famílias, especialmente naquela época, mas ainda hoje. 

Uma ou outra delicadeza se impõem no duro cotidiano das irmãs: a música, a amizade como espaço de resistência e transformação, as cartas que Guida destina a Eurídice sem saber se realmente foram entregues. 

Ao narrar a história de duas irmãs silenciadas pelo patriarcado e pela opressão social, em uma longa caminhada interior que elas percorrem sempre no mesmo lugar, o filme de Karim Ainouz homenageia, de algum modo, todas as mulheres invisíveis do mundo.

como aderir ao “novo normal” ou quem sabe escapar dele

Vitória (ES), meados de maio, 2020, outono-inverno. O isolamento social exigido pela pandemia do coronavírus continua, apesar dos comportamentos e recomendações que navegam perigosamente pelo caminho contrário. Em meio às notícias em profusão, mortes distantes, perdas próximas e piadas de gosto duvidoso, uma expressão chama minha atenção: o “novo normal”. 

A combinação parece ter ganhado força nos últimos meses, quando percebemos que a pandemia não apenas havia se instalado para durar, como também nos obrigaria a mudar antigos hábitos e certas formas de fazer as coisas. 

Ainda não sabemos como vamos sair desta fase, mas é certo que sairemos diferentes, dizem que mais empáticos, quem sabe mais conscientes, um pouco menos consumistas talvez, possivelmente mais solitários. Sairemos do isolamento mais solidários e menos apegados às convenções que vimos cair por terra enquanto estávamos trancafiados em casa? Sairemos mais silenciosos ou, pelo contrário, mais falantes do que nunca?

Afinal, o que devemos fazer para aderir ao “novo normal” – ou quem sabe escapar dele?

Pode ser que o contexto nos ajude a entender, um pouco que seja. O “novo normal” é uma expressão cunhada pelo economista norte-americano Mohamed El-Erian em maio de 2009, 11 anos atrás, portanto. Sua inspiração foi o cenário global pós crise de 2008, considerada a mais grave desde a Grande Depressão de 1929. Segundo ele, o novo normal traduzia a ideia de que, após 2008, o mercado passou a ter características bem diferentes das que até então apresentava.

Corta para a pandemia que chacoalhou o mundo do pior jeito possível, com quase 5 milhões de infectados em seis meses, 320 mil mortos no mundo, 20 mil no Brasil, até a noite de 20 de maio e em curva ascendente. Visto que a Terra não é plana, rodamos um pouco e nos deparamos, novamente, com o “novo normal”. Ou, mais exatamente, o novo “novo normal”.

Mais uma vez, pode ser que o contexto nos ajude a entender, um pouco que seja. 

O novo “novo normal” significa tornar comuns atitudes que antes nos eram estranhas. Andar de máscara na rua, por exemplo. Trabalhar em casa. Cumprimentar com o cotovelo. Sorrir com os olhos. Comprar dos pequenos negócios locais. Comer em casa, limpar as sacolas do supermercado, logística para sair, ritual de desinfecção na volta, happy hour virtual, sapatos na entrada, saudades na estante, certezas na gaveta. 

O novo “novo normal” como um modelo de vida que vamos descobrindo aos poucos, a duras penas. Com menos poluição, mas menos emoção também. Com mais equilíbrio no consumo, mas menos dinheiro também. Com mais amigos desempregados e a maioria das possibilidades perdidas na pandemia. Com a pele melhor, mas cheia de desesperança. Com um pouco de esperança também, mas medo do futuro, do espirro, de quase tudo. Com a impressão de que o tempo parou, mas a vida corre lá fora, à espera de reinvenção.

vida noturna

Foto de Jordon Conner

Em uma passagem do livro Diários de Bicicleta (2009), David Byrne reflete sobre como seria se a História da humanidade fosse contada por meio da vida noturna. Um século depois do outro explicados não pelas guerras, acordos, derrotas, vitórias, recuos e transformações, mas pelo modo como se dão as manifestações e celebrações madrugada adentro. 

O líder da banda Talking Heads é um entusiasta de boas causas, entre elas a música brasileira, a boemia e a sensação de liberdade que acompanha o hábito de pedalar.

Seu livro apresenta a visão de um sujeito que tem a bike como principal meio de transporte desde os anos 1980. Uma janela mágica que o deixa observar o funcionamento das coisas, o ritmo da vida, a arquitetura do mundo e geografia das cidades.

A tese é a seguinte: o que acontecia nos cabarés da República de Weimar, na década de 1920, prenunciava a Segunda Guerra, assim como o punk rock foi um reflexo sombrio da Era Reagan e seu explosivo duo conservadorismo-militarização. Da mesma forma, o fervo que se via nas icônicas casas noturnas Studio 54 e o CBGB refletia a profunda desilusão que se abateu sobre Nova York nos anos 1970, numa espécie de avesso da crise que quase levou a cidade a um colapso. 

Para Byrne, a vida noturna pode oferecer uma visão mais profunda de certos períodos históricos e políticos do que os registros oficiais. A partir desta perspectiva, ele diz, pode ser que conseguíssemos entender o presente ou o futuro olhando para as pistas de dança, a cena cultural ou as mesas de bar. 

Se Byrne tiver razão, e eu não duvido que tenha, as maneiras que temos encontrado coletivamente para lidar com o isolamento necessário ao combate do coronavírus servem como pequenas pistas para o cenário que se desenha para o mundo pós pandemia. 

Vida noturna não há [são exigências do momento], mas um sentimento coletivo de cooperação e uma profunda nostalgia de quando podíamos antecipar golpes e revoluções, avanços e recuos, crises e revezes no tempo passado entre canções, conversas ao pé do ouvido, amigos, amores, desafetos e algumas doses de gim. 

aldir blanc e a esperança equilibrista

Aldir Blanc, em cena do documentário “Aldir Blanc – Dois pra Lá, Dois Pra Cá”

Quando morreu Gabriel García Márquez, em abril de 2014, foi como se morresse um parente próximo, um avô querido, um professor remoto na arte de lutar fisicamente com cada palavra [e é quase sempre a palavra que vence]. A partida de Aldir Blanc, neste comecinho de maio, trouxe sentimento parecido, apesar dos seis anos e 8.236 quilômetros que separam uma passagem da outra, no tempo e no mapa.

Aldir Blanc fez parte da minha história antes mesmo que eu pudesse me dar conta. Entre as lembranças de criança mais antigas que tenho, estão as rodas de violão em família, em que os adultos se dividiam em dois grupos de vozes para reproduzir o diálogo entre dois velhos amigos que se reencontravam em um bar.

Eu não sabia quase nada da vida, do mundo e dos dilemas da existência. Tinha pouca ideia do fim dos amores e do estrago dos rancores. Desconhecia por inteiro o que os adultos divididos em dois grupos nas rodas de violão em família queriam dizer naquele verso a respeito do apreço não ter preço.

Hoje sei.

Anos depois, mais crescida, passei a prestar atenção nos arranjos melódicos das palavras, na diversidade de verbos, substantivos e advérbios que havia, e suas combinações. 

Por outras vias, cheguei novamente a Aldir Blanc e à coleção de mais de 500 composições dele. Uma obra poética enorme em muitos sentidos, que um antigo colega de jornal escreveu, com toda razão, fundia contrários – humor e fossa, devaneio e realidade, lirismo e grossura, a aldeia e o mundo. 

Aldir Blanc, um psiquiatra com a alma repleta de boemia, cantou a saudade, a política, o amor, ruas e risos, o descompasso e o contraste. Um punhado de escancaros e contidos, sustenidos e bemóis, sinais e desenganos, saudades e carnavais, Catavento e Girassol. O tempo, na transversal.

Partiu neste comecinho de maio um sujeito com quem tivemos a honra de aprender que a esperança é a equilibrista que sabe que o show de todo artista tem que continuar.

pequena crônica sobre toda gente

Gente do mal atrapalha os planos da gente, altera a nossa rota, bagunça os nossos afetos, põe em xeque o gosto por coisas que, em outros tempos, tinham sabor de bolo quentinho de chocolate. Gente do mal desnorteia a inspiração da gente, aniquila a nossa fé no movimento, abala a esperança que temos em dias melhores e madrugadas.

Gente do mal transforma o riso em pontas cobertas de poeira e ferrugem, detona o equilíbrio que vai dentro, bloqueia a energia que corre nas veias. Gente do mal é capaz de jogar projetos, anseios e desejos de uma vida inteira num buraco escuro e fundo. Gente do mal não leva em conta a dedicação, despreza o esforço e tem pouquíssima consideração com o trabalho e a história da gente. Gente do mal finge que se importa, mas ai ai ai. Gente do mal um dia morre na gente.

Às vezes até as nossas pacientes economias entram na roda torta dessa gente maldosa que, vez ou outra, esbarra no caminho da gente. Gente do mal não tem freio, simplesmente.

Graças aos deuses e deusas, gente do bem é justo o oposto. Gente do bem não rouba da gente – nem tempo nem dinheiro nem a fé no movimento nem a esperança em dias melhores. Gente do bem não finge afeição, não estimula a desavença, não alimenta a discórdia nem solta da mão da gente.

Gente do bem ajuda a gente a lembrar de onde veio e contribui na construção de endereços, sequências e desfechos, nos consertos e nos recomeços. Gente do bem diz o que é preciso dizer, a despeito da timidez, do embaraço ou de possíveis constrangimentos. Gente do bem vibra com a alegria da gente.

Às vezes até as nossas causas mais secretas entram na pauta dessa gente amável que, vez ou outra, esbarra no caminho da gente. Gente do bem colore a estrada da gente e valoriza cada segundo de dedicação e lealdade. Gente do bem é como na canção.

[Quando os teus olhos cansarem dos meus olhos, não é preciso haver falsidade entre nós].

Graças aos deuses e deusas, gente do bem combate a violência com argumento, verdade e brandura. Gente do bem salva dias, noites e madrugadas de falta de sentido, dias, noites e madrugadas em que a maldade alheia bate na porta da gente, dias, noites e madrugadas de injustiça, desequilíbrio ou uma ausência daquelas.

Gente do bem mora de pantufas no coração da gente.

agradecer

Alguém já disse, com toda razão, que a gratidão transforma o caos em ordem, a negação em aceitação, a confusão em clareza. O oposto é um perigo. Quando estamos tomados de insatisfação, sentimos que nossas escolhas não acrescentam, nossos empregos não satisfazem, nossas roupas não cabem, nossa casa não acolhe, o sal não tempera, os amigos não ligam ou então são outros os desagrados.

Em meio ao turbilhão de faltas, esquecemos dos braços, pernas, pés e mãos que funcionam bem, do teto que nos acolhe, da possibilidade de enxergar, das pequenas vitórias, das canções e dos afetos, de gente próxima com quem realmente podemos contar, do amor em estado puro a despeito das dificuldades. Em meio ao turbilhão de faltas, esquecemos do que nos é essencial e que nos serve, bem ou mal, dia e noite, faça chuva ou faça sol.

[O essencial é entender o que nos move, estar próximo do que nos emociona, investir no que importa e dispensar o resto. O essencial é aquela história: escolher o que compensa e seguir a filosofia de quem pode tudo, mas nem tudo lhe convém].

Não deve ter sido coincidência. Às vésperas do Natal, uma época em que tradicionalmente somos [ou deveríamos ser] tomados pelo hábito de dizer obrigado, fui internada às pressas para uma cirurgia de emergência na vesícula. A dor era imensa, a maior que lembro ter sentido. A operação não foi das mais simples, mas saí de lá quase inteira.

Dois dias depois, recebi alta e, apesar da recuperação dolorida e do susto, por todo o lado havia motivos para dizer obrigado. Eu estava viva, antes de mais nada. Caminhava com dificuldade, mas caminhava. A família inteira estava sintonizada, os de perto e os de longe, e as alianças permaneciam firmes e fortes. Felizmente tínhamos condições de comprar os medicamentos prescritos pelo médico, a dieta completa, o conforto todo.

Quando fomos para casa, Melodia esperava na porta. Os enormes olhos amarelos do meu gato de estimação contrastavam com seu pêlo preto brilhante. O balanço do rabo indicava felicidade. Os discos acumulados ao longo da caminhada e os livros cuidadosamente enfileirados nas prateleiras estavam exatamente do jeito que eu havia deixado.

Era bom voltar.

Quando olhei em torno, lembrei daqueles dias em que tradicionalmente somos [ou deveríamos ser] tomados pelo hábito de agradecer, apesar de todo o peso que o ano acumula. Dezembro havia começado com chuva. Meu estado de espírito não andava muito diferente. Eu precisava serenar a pele, organizar a casa e, mais urgente que tudo, cuidar para que meus pensamentos voltassem a ser leves. O coração batia pesado. Apesar disso, eu sabia: precisava pensar profundamente no lado bom da vida.

O tempo, uma vez mais, desempenhava com maestria seu papel de santo remédio, e eu não tinha escolha mais indicada a fazer do que simplesmente agradecer.

carta para quando felipe souber ler

Querido afilhado,

Este ano infelizmente não pude comprar um presente para o seu aniversário. As coisas estão ligeiramente difíceis – você vai entender quando estiver um pouco mais crescido. A economia anda ressentida, as pessoas andam sem rumo. A política então nem se fala: crise de um lado, desesperança de outro, e os sujeitos em quem um dia confiamos para cuidar do nosso país gastam o tempo deles e o nosso dinheiro tomando conta apenas dos interesses deles mesmos.

Confiança, você vai saber também, é um sentimento incrível. Não se perca dela, mesmo quando as coisas apertarem. Você vai aprender um dia que a palavra confiança vem do latim con fides, com fé, e espero que a sua fé esteja fortalecida, em Deus, na Física, na música, no tempo e nas pessoas, apesar dos medos, das decepções, das expectativas desfeitas e das provas em contrário.

Quando as coisas apertarem, lembre-se também dos tempos de criança, quando seu riso fácil enchia os nossos domingos de alegria.

Sei o quanto a sua chegada foi esperada. Desejo que você cresça forte, feliz e saudável, que tenha no Pedro um irmão tão maravilhoso quanto seu pai é para mim, que encontre uma linda parceira, como sua mãe é para nós. Desejo que aprenda coisas novas todos os dias e que tenha a simplicidade e a leveza como companheiras.

Peço também que você saiba ser justo, porque o que dá a verdadeira dimensão de um ser humano não é o quanto ele é grande, rico ou poderoso, mas principalmente o quanto ele é justo. Torço para que você supere com tranquilidade as dificuldades [e que de preferência elas sejam bem poucas]. Torço para que você entenda também o quanto elas nos ajudam a crescer, mesmo que na hora não pareça.

Espero que o preconceito passe longe dos seus olhos, que a intolerância não tenha morada no seu coração, que a maldade esteja distante do seu espírito. O mundo nem sempre é bom, mas muitas vezes [ufa!] há gente de boa índole e boas intenções para nos estimular a amar, construir, compreender, criar e perdoar. Reme com eles a favor de um mundo mais equilibrado, menos violento, mais tolerante, menos mesquinho. Faça a sua parte, mesmo que modestamente.

Com todo o amor da sua madrinha,

Ana Laura

o equilibrista

– Por que você fez isso?, alguém perguntou ao equilibrista, tão logo ele terminou de atravessar as torres gêmeas do World Trade Center, em um cabo de aço estendido, sem proteção e sem autorização, a 417 metros de altura.
– Faço algo magnífico e misterioso e tudo o que consigo é um prático por quê? O belo é que não há porquê, ele respondeu.

Pensei comigo: sabe que às vezes faz bem não saber?

Quando a gente não sabe, pensei, a cabeça deve doer menos a tristeza dos dias turbulentos, o abdome deve sustentar mais o peso das vértebras retorcidas. A gente, quando não sabe, investe com mais pureza nos encontros, nos diálogos, no prazer e na arte. Protegidas pela graça da ignorância, acolhidas pelo benefício do desconhecimento, mimadas pela dádiva da inocência, as madrugadas passam quietas e a ansiedade respira no compasso certo – ou o mais perto possível.

As horas tendem a pesar menos quando a gente não sabe.

Ao contrário das estações em que chove dentro da gente, mesmo que lá fora faça sol, quando não sabe a gente experimenta a liberdade de se dedicar com menos peso à busca de respostas, sejam elas metafísicas ou prosaicas, sejam elas a respeito dos rumos do jornalismo, dos versos de Bob Dylan ou do sentido da vida, sejam elas sobre o teor alcoólico do gim ou sobre as razões daquele equilibrista.

O equilibrista, a propósito:

Às 7 da manhã do dia 7 de agosto de 1974, um francesinho chamado Philippe Petit estendeu um cabo de aço entre as torres gêmeas do World Trade Center e atravessou, sem proteção e sem autorização, o espaço entre os prédios que Osama Bin Laden mandaria pelos ares em 11 de setembro de 2001. Petit tinha 24 anos, vestia preto e cruzou o vão entre as edificações a 417 metros de altura, por oito vezes, durante pouco mais de 40 minutos. Acabou na delegacia, feliz da vida.

A traquinagem foi exaustivamente planejada. Petit alugou um helicóptero para fotografar o topo das torres, convenceu um executivo do 82º andar a ajudá-lo, fingiu ser repórter de uma revista inventada para entrevistar o síndico.

Enquanto fazia malabarismos na rua para se manter, observou, fotografou. Tomou notas. Subiu e desceu do complexo que ainda passaria por um incêndio em 13 de fevereiro de 1975, um atentado a bomba em 26 de fevereiro de 1993 e um assalto em 14 de janeiro de 1998. Acompanhou a rotina de funcionários e frequentadores e até decifrou a combinação que abria uma das portas: 7-7-4-3-5.

Como a maioria absoluta dos sonhares, Philippe Petit ignorou os riscos, os ventos, a umidade do ar e as exigências da polícia e fez – palavras dele – aquilo que tinha de fazer. Andar sobre fios era paixão antiga, daquelas como na canção.

[Basta um encontro por acaso e pronto: começa tudo outra vez].

Petit já havia passeado suspenso entre as duas torres da Catedral de Notre Dame e pela ponte que atravessa a baía de Sidney, na Austrália. Para atravessar as torres gêmeas, contou com a ajuda de um amigo e da namorada. Também teve alguma sorte, declarou em entrevistas que viriam depois da façanha. Pensou em tudo, minúcia por minúcia, desde o transporte até o modo como faria um cabo de 200 quilos atravessar de um ponto ao outro – no fim das contas decidiu usar um arco e uma flecha para, então, caminhar sobre a corda bamba, deitar e dançar um pouco.

O nome da coisa é funambulismo.

A vara de equilíbrio pesava aproximadamente 25 quilos. Por toda a extensão da linha, havia cabos pendendo em direção ao chão. A função deles era reduzir as vibrações na superfície da corda bamba e, também, amenizar a sensação de vazio que dá olhar para baixo quando não há nada para ver, nem paisagem nem um rosto conhecido, nem formas nem perspectivas; nada.

– Por que você fez isso?, alguém obviamente perguntou.
– Faço algo magnífico e misterioso e tudo o que consigo é um prático por quê? O belo é que não há porquê, ele respondeu.

Pensei comigo – vocês já sabem: sabe que às vezes faz bem não saber?