pra que discutir com madame?

Foto: Lalo de Almeida/UOL
Noventa anos e mais de 400 quilômetros separam o Rio de Janeiro nos anos 1930 da Paraisópolis neste difícil 2019. Mas, apesar do tempo e da distância geográfica entre a boemia carioca e a segunda maior favela de São Paulo, uma coisa não mudou: a forma como certas manifestações culturais no espaço público são, com frequência assustadora, maltratadas pela polícia. 

Parece piada, mas não é. Nos primórdios do samba, um sujeito que andasse pela rua com um pandeiro na mão corria o sério risco de ir para a cadeia. Parece mentira, mas também não é. Quase um século depois, frequentadores de festas de periferia são criminalizados, encurralados, pisoteados e mortos porque paira no ar a ideia de que, ali, todos são culpados até que se prove o contrário.

O que se diz, para justificar a violência com que os bailes são tratados: que eles são 100% feitos de drogas, menores bêbados, sexo desenfreado e outros comportamentos considerados inaceitáveis pelas autoridades e pela população que elas representam.

O que NÃO se diz: que, na maioria absoluta das vezes, os bailes ao ar livre são a única opção de lazer de comunidades inteiras e que  movimentam a frágil economia local.

Depois de anos de resistência, o “sambista vagabundo” sai de cena, de certo modo assimilado pelos costumes e pelos representantes da ordem. Em seu lugar entra o “funkeiro marginal”, como se estudantes e trabalhadores em sua busca legítima por diversão não fossem a maioria entre as quatro, cinco mil pessoas de um evento feito de forma autônoma nas comunidades da margem.

O saldo desigual e desolador se traduz em números como os registrados em Paraisópolis: 12 feridos e nove mortos, engrossando a taxa de homicídios de negros com idade entre 15 e 29 anos, que é três vezes maior que a de brancos, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

O mesmo Brasil que produz sua identidade e alimenta sua diversidade com enorme contribuição das periferias oprime manifestações que escapem da caixinha por puro preconceito. O racismo é histórico. Muda o ritmo, a repressão continua.

📰 Texto originalmente publicado em A Gazeta no dia 14 de dezembro de 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s