nós brancos precisamos falar sobre o racismo

Para começo de conversa, é preciso dizer que olho e opino de um lugar bastante específico: apesar das raízes árabes herdadas do avô Abraão e da bisavó Zalfa, nasci branca. E isso muda muita coisa.

Sim, brancos têm privilégio simplesmente por serem brancos, a despeito das durezas na caminhada de cada um. Reconhecer o benefício historicamente agarrado na pele que habitamos é uma pequena contribuição, entre muitas possíveis, para a longa estrada que ainda separa a humanidade da igualdade racial.

A ideia não passa por negar o que somos ou invadir o combate alheio. Passa pela compreensão da dor que afeta o povo preto e seus ancestrais, pela noção do quanto a sociedade ganha com a diversidade e pelo entendimento, ético e político, de que a solidariedade não nasce apenas de experiências compartilhadas, como nos ensina bell hooks (assim mesmo, em minúsculas).

Com todo respeito, argumentos como “não é o meu lugar de fala” soam malandramente simplistas diante da complexidade de um país onde mortes violentas entre negros são 159% maiores do que entre brancos, 70% dos desempregados são pretos ou pardos e apenas 4,7% entre os que trabalham ocupam posições de liderança.

É verdade que tecer comentários sobre a opressão racial sendo branco significa falar sobre um tema que não nos pertence diretamente. É verdade que um branco não representa um negro nem tem legitimidade para julgar como ele se sente diante da discriminação. Mas é verdade também que um branco pode se posicionar a respeito do racismo a partir do lugar em que vê o mundo, com bom senso e empatia.

Calar sobre o assunto significa compactuar com o racismo estrutural, um sentimento cristalizado de tal forma na sociedade que, muitas vezes, manifestações claramente preconceituosas deslizam pelo cotidiano como se fossem música suave.

Não são.

Herança direta da escravidão, o racismo infelizmente persiste. Desconstruí-lo nos espaços de atuação pessoal, profissional e institucional é uma causa urgente para brancos e pretos, juntos e misturados.

📰 Texto originalmente publicado em A Gazeta no dia 19 de outubro de 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s