o dia fora do tempo

Dizem que o gosto da civilização maia por entender o sentido histórico das coisas colocou o tempo como preocupação central de seu povo. Havia o hábito entre os ocupantes do fértil Vale do Yucatán, desde remotos anos antes de Cristo, de medir com zelo a passagem dos dias e respectivas noites, registrar de modo minucioso o movimento dos astros, demarcar as celebrações religiosas, as vitórias militares, a fundação das cidades e as colheitas, além de erguer nas pedras inscrições que contribuíssem para a memória das gerações futuras.

Os ciclos se repetiam de 13 em 13 luas de 28 dias cada, somando 364 dias, com início em 26 de julho e fim no 24 de julho seguinte. O dia 25 não pertencia nem a um ano nem ao outro, e os maias o chamavam de O Dia Fora do Tempo.

Taí: gostei.

Durante 24 horas, as tarefas eram meditar a respeito da vida, agradecer pelo resultado das semeaduras anteriores, cancelar dívidas materiais ou metafísicas, dedicar-se às artes, elevar o estado de consciência e respirar com toda a liberdade do mundo. Nelas se concentrava a energia para o período que em breve começaria, bem ou mal, alegre ou triste, leve ou pesado, de acordo com o que fosse – bom ou mau, alegre ou triste, leve ou pesado – o Dia Fora do Tempo.

Como nos primeiros dias do ano e apesar do tempo que às vezes não há, no Dia Fora do Tempo a ordem podia ser entender o que realmente importa, ficar próximo do que nos emociona e dispensar o resto, celebrar o sol tímido dos dias de julho, o cardápio à base de legumes, chocolate e Coca Cola, os planos para a reforma da cozinha, as pequenas festas, as boas companhias ou a vontade de reencontrar os parceiros que suavizam com seu afeto as outras ausências.

A ordem podia ser firmar os músculos, respirar profundo, investir na capacidade de superar as adversidades, perdoar até aqueles que nos prejudicam porque são movidos pela vaidade, pela prepotência ou pela insegurança. Podia ser entender o próprio tempo, respirar antes da explosão, suavizar antes do julgamento, reduzir as expectativas, esperar um pouco além do previsto, com toda calma possível dentro. Podia ser a ordem no Dia Fora do Tempo ver o mundo com os olhos da delicadeza, tanto quanto possível, mesmo que nem sempre e depois dançar you make me feel there are songs to be sung.

[O senhor me faz sentir que há canções para cantar, Frank Sinatra].

No Dia Fora do Tempo, a ordem podia ser fazer como fazem os ganeses no ano novo deles: cavar um buraco no chão, colocar a boca e contar o que se passou de ruim, “cobrir” as palavras com terra e discorrer suavemente sobre as coisas boas que deseja, jogar um pouco de vinho ou cachaça sobre a terra em homenagem aos ancestrais e, enfim, beber também um pouco. Podia ser, como nos primeiros dias do ano e apesar do tempo que às vezes não há, um período dedicado a olhar pra trás, avaliar projetos, reorganizar desejos, rever feitos, tomar nota do que for preciso e apagar o resto, com todo o desapego do mundo.

O Dia Fora do Tempo seria então tomado pela leveza dos começos, pela fé no movimento, pela esperança em dias melhores e as orações a postos, para que o grandioso e bom Deus mais uma vez amenizasse as faltas, perdoasse os deslizes, aliviasse os excessos, instaurasse o equilíbrio e mantivesse a paz, pelo próximo ano e sempre, amém.

Anúncios

2 comentários sobre “o dia fora do tempo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s