simples como as crianças

Eles brincavam alheios às promessas dos novos prefeitos, ao destino dos royalties do petróleo, aos números da inflação, aos acidentes nas estradas federais, ao fim do casamento da atriz da novela, a quase tudo. O fim do mundo previsto, anunciado e garantido no calendário maia também não preocupava, nem as notícias policiais, os bastidores da política ou o novo salário mínimo.

Viviam levinhos como vivem os que estão à espera das descobertas, prontos para aprender o mundo inteiro, afeto, palavra, certeza e dúvida, a matemática do diabo e a química dos corpos, as canções dos Beatles e os livros de Herman Hesse, os filmes de Charles Chaplin e os quadrinhos da Marvel, os encontros que a gente não espera e enchem a vida de sorrisos, os desencontros que a gente igualmente não imagina e fazem exatamente o oposto.

Ainda não sabiam muito da saudade ou do sufoco, da descoberta de um amor novo ou da possibilidade de consertar o antigo. Igualmente desconheciam a amargura do tempo e o medo do futuro, o horror das guerras ou a tragédia que é ter dor de cotovelo.

[Dói do cóccix até o pescoço].

Disto eles sabiam: que rir é tão preciso quanto viver e navegar, tão necessário quanto entender, tão exato quanto as melhores composições. Ou nem sabiam, só riam. Felizmente não tinham – ou se tinham era bem pouco – as bagagens dos dias difíceis, dor de cabeça, excesso de tarefas, ciúme, apego, gangorra, o mês que sobra no fim do dinheiro, estômago, amores, espíritos e música sujeitos aos acréscimos monetários de quem empresta a quem paga, mais ou menos do mesmo modo que a Economia.

Acreditavam, como a garota que perguntava, na imensa possibilidade das perguntas, na capacidade de dançar que elas tinham, desregradas, disponíveis, desimpedidas e ilimitadas. A única urgência que alimentavam era aprender as regras do Uno, o joguinho inventado nos anos 70 por um barbeiro de Ohio que precisava distrair os filhos, vermelho, verde, amarelo e azul, uma frase que não lembro agora e tudo resolvido.

Eram cinco crianças, três, sete, oito, dez e 15 anos, sotaques diversos, endereços distantes, origens diferentes. Em comum tinham alguns parentes, o gosto pela brincadeira, planos para a praia e um bocado de disposição. Pureza também não faltava, nem simplicidade, imaginação e uma capacidade de resolver as coisas que os adultos, muitas vezes, não conseguimos ter e os pequenos, muitíssimo ao contrário, parecem nascer sabendo.

Anúncios

8 comentários sobre “simples como as crianças

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s