parceiros

É possível que não houvesse a bossa nova e os maiores crimes da História, os gols mais bonitos do século e os maiores amores do mundo. É possível que não houvesse as melhores noites, vodca ou vinho, rock ou samba, na rua ou em casa, publicável ou nem, a trilha sonora perfeita  no volume certo, no compasso certo, no tempo certo. Sem os parceiros, é possível que nem cor houvesse direito.

É possível que não houvesse a arte da botecagem, os encontros, os reencontros, os desencontros e a convivência entre cotidiano e acaso, rotina e surpresa, matemática e a arte, a métrica e o sentimento. É possível que não houvesse vontade de voltar, casa, ponte, escada, praça, parede, quarto, estante, livro à espera de concentração, discos à espera das madrugadas, madrugadas em si e os silêncios em que a gente investe, porque são, de fato, ótimos investimentos. Sem os parceiros, é possível que nem sorriso houvesse direito.

Parceiros elevam o estado de espírito da gente, riem até das piores piadas e reparam nos sorrisos da gente, dos mais tímidos às gargalhadas típicas, da repetição à ausência. Diante de um problemão, eles dizem, com pequenas variações de estilo:

– Vamos resolver. Já passamos por coisa pior.

Parceiros correm junto, e perdem as contas de quantas vezes as coisas deram certo, quantas noites terminaram bem, quantos planos viraram verdade. Parceiros sonham junto, uma viagem, uma casa, um projeto, um bom negócio, um livro, um filho, uma árvore e às vezes meia dúzia de clichês. Sem os parceiros, é possível que nem o sol tivesse a mesma graça. Parceiro é pra dividir a conta, a carona, o chocolate, o sanduíche da madrugada e as incertezas do cotidiano. Parceiro é pra dividir a vida, ou então fazer música, Tom e Vinicius, João e Aldir, Lennon e McCartney, Roberto e Erasmo.

Parceiro samba junto, ou dança a baladinha de quando a gente não imagina por quê, e tem até os malvados, desordenados, transtornados e desajustados – pra eles, parceria é roubar bancos, explodir prédios, matar desafetos ou coisa do tipo. É possível que sem eles não houvesse o dilema da propaganda do futebol [tanto faz se no bar ou em casa, desde que em boa companhia], e nem as fotos fossem tão divertidas. Parceiro ouve, e conversa sempre, até quando as discordâncias parecem maiores que o mundo, nunca o contrário, ausência de resposta, dureza no julgamento e nenhuma chance de saber do que o outro tem a dizer.

Parceiro é mais que amigo, mais que amor, e engrossa as estatísticas do Centro de Pesquisa em Opinião Pública da Universidade de Chicago segundo as quais homens e mulheres com pelo menos cinco pessoas muito próximas são 50% mais felizes do que homens e mulheres de círculos sociais mais restritos.

Parceiro abraça, estimula, apoia, espera junto, acredita até nas menores ideias, livro, festa, comida, viagem e banho de chuva, exatamente como o personagem de “Meia-Noite em Paris”, Hemingway, Fitzgerald, Cole Porter, Picasso, Dali, uma guerra terrível e outra pior ainda que eles nem sabiam [talvez pressentissem] que estava por vir. Gil Pender, o protagonista, quer viver de literatura, morar em Paris e, sempre que possível, andar na chuva. Sua noiva faz justo o oposto do que fazem os bons parceiros: pressiona para que ele siga uma carreira infeliz desde que bem paga, prefere as certezas às vontades, despreza seus projetos e procedimentos, pensa apenas com o próprio umbigo, e aí, meu amigo, não tem parceria que resolva.

Anúncios

5 comentários sobre “parceiros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s