a viagem, o litoral

Estes dias estava passando Tudo Acontece em Elizabethtown na televisão, daí lembrei deste texto, de uns quatro ou cinco anos antes. Era dezembro, e ideia ainda tinha acento.

“Caminhando contra o vento
Sem lenço, sem documento
Num sol de quase dezembro
Eu vou…”
Caetano Veloso

Haveria apenas mapas, uma edição do Guia Prático das Estradas Brasileiras para Viajantes Solitários e dinheiro que bastasse para comer nas horas em que fosse preciso comer e dormir nas horas em que fosse preciso dormir, e haveria também três pares de calças confortáveis e dois grampos de cabelo, o Elis e Tom, o If You Felling Sinister, os singles dos Smiths, o Chico da capa vermelha, aquele da Elizeth, outro do Caetano, e tempo e silêncio para exorcizar os fantasmas, entender as mudanças, digerir as angústias.

Era tudo.

O carro seguiria a rota do mar, porque, como dizia um texto que li outro dia, ser do litoral significa manter os olhos perdidos no horizonte, o corpo firme na Terra e a alma perambulando por algum lugar nenhum, e assim, olhos perdidos no horizonte, corpo firme na Terra e alma perambulado por algum lugar nenhum, eu faria a viagem, literal e existencial, dos meus 30 anos de idade.

A idéia – divertida e um pouco assustadora – de que todo ser humano precisa fazer uma viagem solitária de carro ao menos uma vez na vida veio de Claire Colburn, e importa pouco que Claire Colburn seja uma personagem de cinema e que tudo o que ela diga seja tão irreal quanto alguém copiar um livro de poemas inteiro para o grande amor (ou a ilusão do amor, vai saber) só porque não há mais exemplares disponíveis nas livrarias e as copiadoras acabariam com a magia daquele dezembro.

De novo é dezembro, aliás, e o sol felizmente voltou, mesmo que tímido, de modo que a opção de ser do litoral parece ainda mais atraente, e não há inseguranças, lembranças, prazeres, medos e amores que mudem as coisas, menos ainda o fato de que, como dizia o texto, os litorâneos são vistos pelos “outros”, continentais, como frívolos (palavra estranha, inútil mesmo) e sonhadores.

Eu, que nasci numa cidade sem praia e desde pequena tenho um pouco de medo do mar, gosto das idéias, todas – do litoral, dos frívolos e sonhadores, seus olhos, corpo e alma nos respectivos lugares, de Claire Colburn e da viagem, literal e existencial, que todo ser humano precisa fazer pelo menos uma vez na vida.

Acho que vou, um dia.

Por que não?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s