outra pequena nota sobre os aquarianos

Aquário é representado pela figura de um jovem com uma ânfora; é a figura de Ganímedes, um príncipe de tal perfeição e beleza que mereceu a atenção dos imortais. O poderoso Júpiter – que cometeu todos os pecados humanos – quis ter Ganímedes ao seu lado, no próprio Olimpo, apesar do jovem ser apenas um mortal; assim, transformou-se numa águia e levou Ganímedes para a morada dos deuses, dando-lhe a incumbência de servir o néctar nos banquetes olímpicos. O néctar que jorra da ânfora de Aquário lembra uma promessa de Júpiter; aquele mortal que beber da ânfora de Ganímedes poderá sentar-se ao lado dos deuses. Essa é a razão porque Aquário é um signo de aspirações elevadas, de idealismo e inspiração. E essa também é a razão porque os aquarianos são excêntricos e inconvencionais…

Chico Buarque, Almanaque, 1982

uma pequena nota sobre os aquarianos

[…] A promessa de que a Era de Aquário quebraria as barreiras da comunicação apenas começou a se cumprir. Mas e a afetividade? Como ficam os encontros quando é a virtualidade que dita as regras dos relacionamentos? A resposta aponta para duas direções, que podem, se adequadamente assimiladas, reduzir esse mal estar contemporâneo. Uma assinala a própria propensão de Aquário de reinventar o modo como se dão os encontros, quebrando antigos padrões de relacionamento, assim como mudaram, também os meios de comunicação. Outra trata de não deixar que os valores do signo oposto ao de Aquário, Leão, sucumbam à velocidade frenética da informática e da telemática atuais. Esses são os valores que dizem respeito não às coisas que se originam na mente, mas, sim, no coração. É preciso, portanto, que não declinem no horizonte da era, deixando um vazio afetivo que nenhum dos novos meios de comunicação teria o poder de preencher. […]

Claudia Lisboa, O Globo, 2011