sobre lembranças, a propósito

A verdade é que as coisas acabam, os amores, as esperas, as noites felizes, os doces da caixa, as histórias, os livros, o Domec e as dores. As esperanças acabam, e as revoltas, as reformas e as revoluções. O dinheiro de vez em quando acaba, e também os créditos, as crenças e as razões para querer alguém que não quer de volta.

As viagens um dia acabam, Rio, Havana, Paris, São Tomé das Letras, Marataízes, Ribeirão Preto, Nova York, las tardecitas de Buenos Aires, Londres cinza cerveja parede vermelha comida tailandesa e o boteco dos brasileiros na escola de estudos econômicos, qualquer lugar de ônibus, trem, carro ou de avião e a gente depois chegando em casa, desfazendo as malas, voltando diferente pra vida que levava antes. A verdade é que até as canções acabam.

“Pois já não vales nada
És página virada
Descartada do meu folhetim”

O inverno acaba e o calor (oba) acorda o corpo inteiro de manhã, os olhos cansados de ontem à noite, as plantas da varanda, as músicas de antes de dormir, os pensamentos desconexos, as descobertas inesperadas, as obrigações apressadas, louça pra lavar, lixo pra jogar fora, contas pra pagar, poeira pra tirar, aula de pilates, revista e jornal, amor, trabalho e uma sexta-feira inteira de sono atrasado, risco, família, sentido, promessa, gratidão, bicicleta na praia.

Até as histórias acabam, todas, as que deixam de ser minhas neste momento, as que me emprestam e igualmente passam a ser de quem lê, e todo o resto que cabe no sol. O tempo acaba, e às vezes também a imaginação. A verdade é que até a vida acaba. Mas a memória é poderosa, enche os vazios e – com exceção daquelas que doem ou aborrecem, e a gente tem vontade de brincar com elas de Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças – ameniza o presente quando nem cachaça nem aspirina nem morfina fazem o buraco parecer menor.

Ouvi dizer estes dias que a memória faz as pessoas conhecerem o verdadeiro valor dos momentos, e daí, vai ver, a gente entende no dia seguinte a importância daquele abraço, no mês seguinte percebe o quanto gostou daquela noite, na estação seguinte assimila as palavras do último outono, vive de novo e com outro olhar as mesmíssimas coisas, com outro peso (ou sem peso), quando lembra do cheiro (baunilha), da cor, dos detalhes (ou não lembra, e ri do próprio esquecimento), quando sente falta.

“Se você ligar o rádio
Todas as canções irão dizer:
Give I so long, my love”

Um dia, quando percebe o muito que fica quando as coisas acabam, as faltas incomodam menos e (ufa) a gente vive melhor.

Vitória, 4 de julho de 2009

Anúncios

4 comentários sobre “sobre lembranças, a propósito

  1. Teu texto me lembrou de imediato “O Lobo da Estepe” – o Teatro Mágico, sabe? Das peças que avançamos e recuamos no tabuleiro de xadrez e que representam nossa múltipla personalidade, fragmentada. As memórias são também cavalos, peões e rainhas que manipulamos cá dentro.

    E, confesso, por vezes esse jogo acaba comigo.

    Bj.

  2. Aliás, vc já viu o “Reflexos da inocência”? Entrou direto em minha lista de favoritos de todos os tempos. E diz muito a respeito de memórias, passados e escolhas. Pra mim, antológico. Indiquei e a Carol tb surtou. Programaço.

    Bj de novo.

    1. o lobo da estepe é um dos meus livros favoritos, sem dúvida. reflexos da inocência não vi, mas carol passou suas recomendações adiante. ela adorou mesmo. quem sabe não vejo nesse fim de semana de chuva…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s